Exercício Físico e Doenças Cardiovasculares – Quais os Benefícios?

As doenças cardiovasculares continuam a ser a principal causa de mortalidade na população brasileira, à semelhança do que acontece com outros países. Já a muito tempo se discute a relação entre exercício físico e doenças vasculares.

O papel do exercício físico na prevenção das doenças cardiovasculares é reconhecido de forma unânime. Mas, para alguém que sofra de doença cardiovascular, a atividade física regular continua a ter um papel essencial, fazendo parte de uma terapêutica multifacetada – que inclui a renúncia ao tabagismo, redução dos níveis de colesterol, manutenção do peso e controle da pressão arterial.

Benefícios da relação exercício físico e doenças vasculares

exercicio fisico e doenças cardiovasculares

O exercício físico apresenta inúmeros benefícios para quem tem doença cardiovascular:

  • Reduz a pressão arterial e o colesterol, ajudando a manter a hipertensão controlada;
  • Melhora a capacidade de absorver e utilizar o oxigénio;
  • Aumenta os níveis de energia e diminui o cansaço;
  • Melhora a qualidade do sono;
  • Pode reduzir os sintomas de insuficiência cardíaca congestiva;
  • Ajuda a pessoa a atingir e/ou manter um peso saudável;
  • Ajuda a controlar o estresse.

Repercussões do exercício físico na qualidade de vida

Doentes cardiovasculares que praticam exercício físico regularmente referem, muitas vezes, sentirem mais autoconfiança e bem-estar e, em contrapartida, menos ansiedade, depressão, estresse e isolamento social.

Cuidados a tomar na relação exercício físico e doenças cardiovasculares

Siga sempre as indicações do seu cardiologista ou médico de medicina desportiva em relação à periodicidade com que deve/pode fazer exercício físico, a duração de cada treino e os tipos de atividade física que deve preferir.

É muito importante que o médico lhe explique, por exemplo, se deve ajustar a sua medicação ou medir a frequência cardíaca antes/depois de praticar exercício físico. Este aconselhamento é também essencial para que o doente fique a par dos sinais de alarme que devem levar à interrupção da atividade física ou que implicam recorrer a ajuda médica.

Exercício aeróbio e treino de força

exercicio fisico e doenças cardiovasculares

As atividades físicas mais benéficas para os doentes cardiovasculares são o exercício aeróbio e o treino de força. As atividades aeróbias melhoram a circulação, a respiração e ajudam a reduzir os valores de tensão arterial e de colesterol.

Andar em ritmo acelerado, correr, pular corda, andar de bicicleta, fazer aeróbica ou um treino para emagrecer, remo, natação ou jogar tênis são alguns exemplos de atividades que podem ser executadas.

Já o treino de força fortalece os músculos e os ossos e é muito útil na gestão do peso. Pode, por exemplo, usar equipamentos de musculação ou fazer halteres.

Os benefícios mais consistentes do exercício físico em pessoas que têm doença cardiovascular parecem ocorrer quando a atividade física é praticada pelo menos três vezes por semana ao longo de 12 ou mais semanas.

Um bom exemplo para você conseguir fazer estes exercícios sem nenhum equipamento e no conforto da sua casa é o programa Q48.

6 conselhos importantes

  1. Nunca inicie a prática de exercício físico sem consultar o médico;
  2. Aqueça sempre antes de iniciar o treino e faça alongamentos quando terminar;
  3. Comece gradualmente e vá aumentando um pouco a duração do treino a cada semana que passa;
  4. Não faça exercício físico logo a seguir às refeições – espere pelo menos 60 minutos;
  5. Evite fazer exercício físico ao ar livre quando a temperatura está muito elevada ou muito baixa. As temperaturas extremas podem afetar a circulação sanguínea e dificultam a respiração;
  6. Hidrate-se – consulte o seu médico em relação à quantidade de líquidos que pode beber.

Sinais de alarme

Deve parar de fazer exercício físico imediatamente perante…

  • Dor no peito;
  • Fraqueza;
  • Tonturas ou sensação de desmaio;
  • Pressão ou dor no peito, pescoço, braço, mandíbula ou ombro.

Preste Atenção!

Se os sintomas persistirem mesmo depois de ter interrompido a atividade física, deve recorrer a um serviço médico de emergência.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *